Roncopatia

Comece a dormir melhor

A roncopatia dá-se quando o ar que inspiramos pelas narinas encontra um obstáculo localizado em qualquer local na via aérea superior entre as narinas e as cordas vocais, cria-se uma série de fenómenos físicos que acaba por pôr o palato mole a vibrar.

Tal como uma bandeira exposta ao vento emite um ruído especial causado pela sua própria vibração, também o palato mole, quando posto em vibração, causa um ruído que se chama ressonar.

Convencionou-se dizer que quem ressona tem roncopatia.

Talvez esta seja a única situação em medicina em que se trata um doente para benefício, não só da própria pessoa, mas sim de pelo menos duas. Com efeito, quem está ao lado também sofre significativamente os efeitos da obstrução respiratória do outro e muitas vezes de maneira violenta!

É, portanto, absolutamente seguro que o fenómeno ressonar é causado pela existência de obstáculo(s) entre as narinas e as cordas vocais, sendo ainda necessária uma outra condição: que a pessoa não esteja acordada. Ninguém ressona acordado, e só ressona quem tiver problemas entre as narinas e as cordas vocais.

O tratamento de doenças causadas por lesões situadas entre as narinas e as cordas vocais, é um problema que cai no domínio territorial do otorrinolaringologista sendo surpreendentemente estranho o aparecimento de outros especialistas neste campo de patologia. Embora estranho e surpreendente, é sem dúvida real. O território que o pneumologista cobre situa-se desde o início da traqueia até à extremidade do pulmão. Curiosamente, não há nenhuma lesão patológica situada entre aquelas áreas suscetível de causar ressonar. É estranho, não é?

Deve, no entanto, afirmar-se, com toda a verdade, que somente o otorrinolaringologista domina globalmente o tratamento das patologias importantes que podem causar ressonar. O pneumologista é um especialista com frequência envolvido no tratamento do ressonar, mas utiliza praticamente sempre um único método para tratar estes doentes: a “máscara” ou mais corretamente, o CPAP. Isto não significa de modo algum que aquele tipo de tratamento seja desaconselhado. Pelo contrário, é um método de tratamento excelente, mas longe de ser o único.

Existem outras situações relacionadas com o fenómeno ressonar, a mais importantes das quais é a obesidade. Nenhum gordo deve ser operado à faringe para melhoria de ressonar, pois o insucesso é garantido. Certamente que as banais situações de rinite, desvio de septo, infeções nasosinusais, hipotrofia da mandíbula, assim como o corrente uso de sedativos ao deitar, são outras importantes causas desta patologia.

O doente que ressona tem uma doença importante que lhe altera significativamente a qualidade de vida e põe em risco, por deficiência de oxigenação, todas as células do corpo, mas especialmente, os neurónios cerebrais e músculos cardíacos.

Marcar Consulta

Este site utiliza cookies para garantir uma melhor experiência de navegação.